Novidades

Os melhores livros da DarkSide Books, a grande casa do Terror!



No clima do Halloween, preparamos uma lista com os melhores livros da DarkSide Books, nossa querida caveirinha, que é sem dúvidas a grande casa do terror. A editora possui um amplo acervo que nos remete especialmente a esse dia das bruxas, data a qual a Caveirinha completa seu aniversário de 10 anos.

Essa pequena coletânea listada a seguir traz clássicos do terror, além de fábulas e ótimas obras do true-crime. Com certeza, ótimas recomendações para leitura ou mesmo presentear, devido a exuberante qualidade de cada publicação, que conta com capa dura, artes belíssimas e brindes aos compradores. Não perca tempo e confira alguns dos melhores livros da DarkSide Books!



Antologia que reúne contos e poemas de terror e sobrenaturais de autores da Academia Brasileira de Letras.

O ano é 1897. Estamos nas vésperas da celebração dos oitenta anos de publicação da primeiríssima edição de Frankenstein, ou o Prometeu Moderno, escrito por Mary Shelley. Naquele mesmo ano, outro inglês, H.G. Wells, lança em forma de livro O Homem Invisível e publica os capítulos iniciais de A Guerra dos Mundos em revistas da Inglaterra e dos EUA. Já o irlandês chamado Bram Stoker coloca nas livrarias o livro que viria a mudar sua vida e a história da literatura: Drácula. Do outro lado do oceano, nos Estados Unidos, um garoto de apenas sete anos acabou de escrever seu primeiro conto, que levou o nome de “The Noble Eavesdropper”. H.P. Lovecraft é este escritor americano precoce.

Mais ao sul do continente americano, no Brasil, naquele marcante ano de 1897, quarenta intelectuais se reúnem para fundar a Academia Brasileira de Letras (abl), inspirados em um modelo de agremiação de escritores já existente na França desde 1635. Cada um daqueles fundadores escolhe um patrono para nomear a cadeira que vai ocupar, e eles passam a chamar a si mesmos de imortais.

A antologia Medo Imortal, integrante da coleção Medo Clássico da Darkside® Books, vem a público para mostrar que existe mais em comum entre os fatos dos dois parágrafos anteriores do que pode aparentar à primeira vista. Liderados por nosso maior escritor, Machado de Assis, aqueles intelectuais brasileiros são pessoas de seu tempo, conectados com o que estava sendo produzido nos grandes centros culturais do mundo em sua época.

Nas páginas de Medo Imortal estão reunidos, além de poesias, 32 exemplares da prosa de escritores diretamente ligados à nossa principal instituição dedicada à literatura. São contos que evocam o sobrenatural, apresentam monstros, descrevem atos de psicopatas, dão o testemunho de todo tipo imaginável de atrocidades concebidas pela mente humana. Produzidos entre a segunda metade do século XIX e a primeira metade do século XX, tais textos representam o que de melhor se escreveu nos primeiros cem anos de produção do terror em nosso país.



Hoje em dia fica difícil imaginar a cultura pop sem a presença de Howard Phillips Lovecraft. Reconhecido como o legítimo sucessor de Edgar Allan Poe, Lovecraft passou a vida desenvolvendo seres e universos fantásticos. Assim como Tolkien, ele criou sua própria mitologia com deuses e entidades ancestrais.

Seu terror cósmico, onde o bem e o mal independem de carma ou moralidade, influenciou muitos dos livros, filmes, bandas e games que a gente tanto ama. De Evil Dead a Re-Animator, de Alien aos zumbis de George Romero, das músicas do Metallica às capas do Iron Maiden, das partidas de Alone in the Dark ao Asilo Arkham de Batman... os exemplos de adaptações e inspirações são incontáveis, a ponto de “lovecraftiano” ser considerado um estilo.



Sequência da publicação de um dos autores mais influentes da literatura de terror, em contos apavorantes, que mostram toda a abrangência da força de escrita de H.P. Lovecraft. 

Lovecraft passou a vida desenvolvendo seres e universos fantásticos. Assim como Tolkien, ele criou sua própria mitologia com deuses e entidades ancestrais.

Esta edição da DarkSide® Books traz além dos contos horripilantes em que se encontram as diversas facetas do horror cósmico, o vigoroso ensaio “O Horror Sobrenatural na Literatura”, em que Lovecraft destrincha as origens da escrita de terror.



É meia-noite. As asas de um corvo se misturam à escuridão. A velha casa em ruínas observa com janelas que pareciam olhos. Você jura ouvir a voz de alguém que já partiu para o outro lado, bem na hora em que um gato preto cruza seu caminho.

Tudo o que hoje conhecemos como terror começou a ganhar forma na obra de Edgar Allan Poe. Genial e maldito, Poe é considerado o mestre dos mestres da literatura fantástica. Stephen King, Clive Barker ou H.P. Lovecraft são apenas alguns de seus discípulos mais sombrios. Porém, com certeza não são os únicos. Desde o século XIX, o criador de “O Corvo” vem influenciando gerações de escritores consagrados, dos mais diversos gêneros, como Henry James, Franz Kafka, Arthur Conan Doyle, Júlio Verne, Vladimir Nabokov, Oscar Wilde e Jorge Luis Borges.

Mais de duzentos anos após seu nascimento, Poe continua atual. Sua obra se mantém em catálogo por todos os continentes, nos mais diversos idiomas, e é tema comum em teses de mestrado. Do mundo acadêmico para a cultura pop, de tempos em tempos as histórias fantásticas do autor ganham novas adaptações no cinema, na TV, na literatura. De Iron Maiden a Green Day e Os Simpsons; de Vincent Price a Tim Burton; nos quadrinhos de Neil Gaiman ou nas séries The Following e na brasileira Edgar.

Onde você procurar, existe o toque do gênio. E agora chegou a sua vez de reencontrar — ou mesmo conhecer — a obra original em toda a sua grandeza. Os contos que mudaram os rumos da literatura ocidental. Os personagens eternos. A prosa e a poesia escritas à pena, manchadas de sangue. Finalmente, uma edição nacional à altura do mestre.



O mestre superou a morte, sua eterna musa, e continua a ocupar o posto incontestável de autor mais influente e macabro da literatura dark. Após ser recebido de braços abertos por toda a família DarkSide®, o pai das histórias de suspense e mistério volta a assombrar os leitores brasileiros em uma nova coletânea.

No primeiro volume começamos a conhecer a fantástica casa de espelhos de Poe: suas máscaras e segredos, seu ímpeto aventureiro, suas mulheres etéreas e, é claro, seu corvo imortal. Agora, exploraremos seus devaneios sobre a finitude humana, o desamparo da perda e a solidão do nunca mais. Você está pronto para longas madrugadas de leitura?

Reunindo contos, poemas e cartas que trazem à tona um lado ainda mais sombrio do genial escritor, EDGAR ALLAN POE: MEDO CLÁSSICO VOLUME 2 mostra toda a força das palavras do mestre em doze obras-primas de ficção, como “William Wilson”, “O Homem da Multidão”, “O Demônio da Perversidade”, “Uma Descida ao Maelström”, “A Verdade Sobre o Caso do sr. Valdemar” e “Lenore”.

Um capítulo extra apresenta cartas pessoais do autor. Uma rara oportunidade para o leitor conhecer o homem por trás da obra. Repleta de mistérios e cantos obscuros, a vida pessoal de Poe foi tão intrigante quanto suas narrativas mais fantásticas.



Drácula, um clássico que ainda corre quente na veia de inúmeras gerações de leitores por todo o mundo e a mais celebrada narrativa de vampiros, continua a transcender fronteiras de tempo, espaço, história e memória.

Mais de 120 anos após sua primeira publicação, o romance epistolar mobiliza leitores e estudiosos, confirmando o vigor perene de uma árvore cujas sólidas raízes respondem pela vitalidade de suas ramificações. Embora o famoso conde não tenha sido o primeiro vampiro literário, certamente é o mais popular, sugado e adaptado para inúmeros universos: teatro, cinema, quadrinhos, séries e brinquedos, o semblante é reconhecido até mesmo por aqueles que nunca leram o romance. Ele está em todos os lugares.

A obra atemporal de Bram Stoker narra, por meio de fragmentos de cartas, diários e notícias de jornal, a história de humanos lutando para sobreviver às investidas do vampiro Drácula. O grupo formado por Jonathan Harker, Mina Harker, dr. Van Helsing e dr. Seward tenta impedir que a vil criatura se alimente de sangue humano na Londres da época vitoriana, no final do século XIX.

Um clássico absoluto do terror, Bram Stoker define em Drácula a forma como nós entendemos e pensamos os vampiros atualmente. Mais que isso, ele traz esse monstro para o centro do palco da cultura pop do nosso século e eterniza o vilão de modos refinados e comportamento sanguinário.



Frankestein volta a caminhar entre nós, numa edição monstruosa como só a DarkSide® Books poderia lançar. A obra-prima de Mary Shelley merece. Seu livro de estreia é um marco do romance gótico, verdadeiro ícone do terror e influência fundamental para o surgimento da ficção científica. A criatura de Frankenstein é considerada o primeiro mito dos tempos modernos.

Para compor sua bem-sucedida experiência literária, Shelley costurou influências diversas, que vão do livro do Gênesis a Paraíso Perdido, da Grécia Antiga ao Iluminismo. O resultado é uma daquelas histórias eternas, maiores do que a vida. Leitura obrigatória em países de língua inglesa, FRANKENSTEIN é muitas décadas anterior à obra de Poe, Bram Stoker ou H.G. Wells, e vem sendo publicado ininterruptamente desde 1818. Pouco menos de dois anos antes, a criatura nascia numa noite de tempestade à beira do lago Genebra.

No verão de 1816, Mary e um grupo de escritores ingleses — seu marido, Percy Shelly, o poeta Lord Byron e John William Polidori — dividiam uma casa na villa Diodatti, na Suíça. Entusiasmados pela leitura de uma edição francesa de Fantasmagoriana — coletânea de histórias sobre aparições, espectros, sonhos e fantasmas —, os quatro aceitaram o desafio de escrever um conto de terror cada. Mary concebeu a origem de FRANKENSTEIN. E curiosamente, Polidori escreveu o que viria a ser O Vampiro, romance que serviria de inspiração para Drácula, de Bram Stoker.



O mais famoso casal de investigadores paranormais está de volta para deixar os leitores da DarkSide® Books de cabelo em pé. Você com certeza já ouviu falar deles, mesmo que morra de medo do assunto: Ed e Lorraine Warren, a dupla conhecida em todos os planos, terrenos e astrais, por sua eficiência em despachar espíritos malignos para o lugar da onde vieram. Juntos, eles agiram com todo o seu conhecimento no cabuloso caso dos Smurl, uma família atormentada durante três anos por forças demoníacas.

Pelo fato de lidar de modo fatual com provas do mundo demoníaco, o livro Ed & Lorraine Warren: Vidas Eternas, mais recente lançamento da coleção sobrenatural da DarkSide® Books, causará pesadelos em alguns e, em outros, súbitos atos de religiosidade para garantir que nenhum espírito se engrace para o seu lado.

Ed & Lorraine Warren: Vidas Eternas traz os os detalhes do caso de assombração da família Smurl, da Pensilvânia. Escrito pelo jornalista Robert Curran, o livro foi compilado a partir de testemunhos dos oito residentes do número 328-330 da Chase Street, assim como de outras 28 pessoas que vivenciaram fenômenos sobrenaturais ligados à família Smurl.



Conheça a história que emoldurou nossa infância com todos os seus detalhes, veios e adornos. Ele ganhou vida em 1881 e vive até hoje dentro de nós. Vamos abrir a caixa de ferramentas da Caveira e conhecer a criação mais poderosa de Carlo Collodi, um marceneiro das palavras que foi capaz de esculpir em nossos corações o amor eterno por um boneco de madeira.

“Cuidado pro seu nariz não crescer!” Todo mundo em algum momento da vida já ouviu esta fabulosa advertência, que remete ao boneco de madeira mais famoso da literatura, cujas aventuras agora são publicadas pela DarkSide® Books. As Aventuras de Pinóquio: História de uma Marionete começaram a ser publicadas de forma seriada pelo italiano Carlo Collodi. Desde então, Pinóquio jamais deixou de ser reeditado, e a obra já foi traduzida para mais de 240 idiomas e dialetos, além de servir de base para inúmeras adaptações.

Célebre pela animação da Disney, a história de Pinóquio é uma trama surpreendente que mescla elementos dos contos de fada com traços da literatura satírica, do teatro de rua, e mesmo do gótico. Acompanhamos a trajetória errante de Pinóquio, que começa como um pedaço de madeira que serviria de lenha, mas é transformado pelo carpinteiro Geppetto em um boneco. Logo, no entanto, algo passa a inquietá-lo: Pinóquio deseja se tornar um menino de verdade.

Além de uma Introdução que mergulha nos encantos e nos enigmas da obra e do autor, a edição especial da DarkSide® Books – traduzida por Gianluca Manzi e Léa Nachbin – também conta com um posfácio, um perfil biográfico de Carlo Collodi e ilustrações belas e sombrias que resgatam a atmosfera original da fábula, feitas por Lorde Jimmy. Nossos narizes não crescem quando afirmamos que essa edição trevosa vale cada moedinha de ouro.



Esqueça as histórias sobre sereias que você conhece. Esta é uma história diferente — e necessária. E tudo começa no fundo do mar. Com uma garota chamada Gaia, que sonha em ser livre de seu pai controlador, fugir de um casamento arranjado e descobrir o que realmente aconteceu à sua mãe desaparecida.

Em seu aniversário de quinze anos, quando finalmente sobe à superfície para conhecer o mundo de cima, Gaia avista um rapaz em um naufrágio e se convence de que precisa conhecê-lo. Mas do que ela precisa abrir mão para transformar seu sonho em realidade? E será que vale a pena?

A Pequena Sereia e o Reino das Ilusões chega para trazer um pouco mais de contos de fadas para a linha DarkLove, da DarkSide® Books. Mas não do jeito que você espera; aqui, a história original de Hans Christian Andersen — e também suas versões coloridas e afáveis em desenhos animados — é reimaginada através de lentes feministas e ambientada em um mundo aquático em que mulheres são silenciadas diariamente — um mundo que não difere tanto assim da sociedade em que vivemos.

No reino de ilusões comandado pelo Rei dos Mares, as sereias não recebem educação, não têm direito de fala, devem se encaixar em um padrão de beleza impossível e sempre sorrir. É neste cenário que a autora irlandesa Louise O’Neill apresenta uma história sobre empoderamento e força feminina. Com narrativa e olhar afiados, a autora ainda desenvolve aspectos do conto original que passaram batido, como o relacionamento de Gaia com as irmãs e as camadas complexas da Bruxa do Mar.

A Pequena Sereia e o Reino das Ilusões, que chega ao mundo acima da superfície da água com o padrão de qualidade que virou marca registrada da DarkSide® Books, mostra como, em um reino comandado pelo patriarcado, ter uma voz é arriscado. Mas também como querer usá-la é uma atitude extremamente poderosa e valiosa. Ainda mais em tempos tão sombrios.



Publicado em 1844, o conto de fadas A Rainha da Neve é um dos mais amados do autor dinamarquês Hans Christian Andersen. Adaptado para uma animação musical pela Disney em 2013, encantou uma nova geração de fãs, que entoou com orgulho “Livre Estou”, sua canção mais popular. Agora chegou a hora de conhecer a versão original deste clássico em uma edição Fábulas Dark para lá de especial, feita sob medida para derreter o coração dos darksiders.

Com uma atmosfera mágica, A Rainha da Neve é uma aventura sobre amizade, coragem e esperança. Acompanhe a história de Gerda e seu amigo Kay, duas crianças capazes de sonhar um mundo à parte da realidade, muito além do olhar dos adultos, que têm suas vidas transformadas pela interferência de uma criatura diabólica. Essa criatura cria um espelho que distorce a realidade, produzindo reflexos enganosos. Quando o espelho se espatifa, os cacos retém seu poder nefasto e se espalham pelo mundo, levando trevas, desunião e perversidade a todos que entram em contato com eles.

Um dos cacos se aloja no coração do pequeno Kay que, suscetível às armadilhas malignas, se transforma em um menino insatisfeito e cruel, afastando-se de sua grande amiga Gerda. Mas quando ele é enfeitiçado pela Rainha da Neve e aprisionado em seu palácio congelante, será justamente a força e a determinação dessa amizade a magia capaz de salvar a sua vida.



É véspera de Natal e os irmãos Fritz e Marie aguardam ansiosos pelos seus presentes. O padrinho das crianças, fabricante de relógios e brinquedos, é quem os surpreende com o item mais encantador: um castelinho completo com diminutas figuras ricamente adornadas.

Entre elas, há uma bem peculiar, que desperta a curiosidade da pequena Marie: um quebra-nozes. Por trás de seus olhos vítreos e seu sorriso incomum, pulsa um mistério que atravessa gerações e uma trama plena de aventuras, envolvendo princesas enfeitiçadas, ratos vingativos e um príncipe vítima de uma terrível maldição.

Quando Fritz lasca os dentes do boneco, após obrigá-lo a quebrar muitas nozes, Marie se solidariza, tomada de compaixão pela inanimada figura de madeira. Mas, ao soar da meia-noite, ela terá uma grande surpresa. Afinal, nem todos os brinquedos são inanimados quanto ela pensa...

Fruto da imaginação exuberante do autor E.T.A. Hoffmann (1776-1822), considerado um dos pais da literatura fantástica, O Quebra-Nozes é um clássico pleno de magia capaz de instigar e divertir leitores de todas as idades. Tecendo fábulas dentro de fábulas, Hoffmann amarra sua narrativa de forma brilhante e nos mostra que, para afortunados sonhadores, é fácil atravessar os limites entre realidade e fantasia. A história inspirou inúmeras outras que surgiram depois dela, incluindo clássicos que vão desde Pinocchio até a aclamada franquia de animação Toy Story. E foi fonte de inspiração ainda para o afamado balé de Tchaikovski, representado tradicionalmente na época do Natal.

Esta fábula imortal agora ganha vida nova com as artes e cores deslumbrantes da ilustradora anglo-finlandesa Sanna Annukka, também responsável pelo visual de outro clássico publicado pela DarkSide: A Rainha da Neve, de Hans Christian Andersen.

Repleta de beleza e lirismo, nossa edição de O Quebra-Nozes chega nas estantes da Caveira em 2022, ano em que recordamos o bicentenário da morte de Hoffmann. Mais do que uma homenagem, é a prova de que histórias inesquecíveis tornam eternas as mentes e os corações que as deram vida.



Eternizadas nos contos de fadas e consagradas nas animações da Disney, as princesas desfrutam de um lugar especial no panteão das heroínas da nossa infância. Recordamos com encanto nostálgico de suas aventuras e suas paixões. Mas o caminho das princesas nem sempre foi embalado por melodias harmoniosas, passarinhos falantes e finais felizes.


A marca Fábulas Dark, da DarkSide® Books, orgulhosamente apresenta o livro Princesas Dark, uma jornada mágica pelas narrativas das princesas que tanto amamos. Reunindo oito histórias — Branca de Neve, A Pequena Sereia, Rapunzel, A Bela e a Fera, A Gata Borralheira, A Balada de Mulan, A Bela Adormecida no Bosque e A Rainha do Gelo —, Princesas Dark é uma verdadeira celebração desses contos que cruzaram territórios e barreiras culturais, de geração a geração. Esta edição apresenta os contos cuidadosamente traduzidos dos idiomas originais: francês, dinamarquês, alemão e chinês.


Muito mais do que fábulas sobre donzelas indefesas à espera do príncipe encantado, temos aqui histórias sobre protagonistas valentes e determinadas, que agem seguindo o coração. Os contos de fadas foram se renovando, amadurecendo e adquirindo os contornos que conhecemos hoje, mas sempre mantiveram sua característica mais marcante: as princesas como arquétipos e fenômenos culturais, nos ajudando a compreender mais profundamente a psique humana e o mundo em que vivemos.



Todos temos um lado pouco conhecido, secreto, por vezes maligno e até monstruoso. Raros, porém, são aqueles que dão vazão a esta faceta. O escocês Robert Louis Stevenson soube retratar, como poucos, este aspecto das personalidades múltiplas em sua novela gótica, O Médico e o Monstro, publicada originalmente em 1886, em Londres. Considerado um dos três maiores clássicos do gênero de horror, ao lado de Frankenstein e Drácula, O Médico e o Monstro inspirou incontáveis traduções, adaptações, interpretações e homenagens ao longo das décadas.

A DarkSide® Books, primeira editora brasileira inteiramente dedicada ao terror e à fantasia, anuncia a peça que faltava para completar a tríade monstruosa e atemporal na coleção Medo Clássico: O Médico e o Monstro & Outros Experimentos é o livro que todo darksider sempre sonhou. Capa dura para proteger o material de elementos químicos destrutivos, tradução cuidadosa de Paulo Raviere para honrar o trabalho de Stevenson, ilustrações impecáves de Alcimar Frazão para explorar as nuances metafóricas dos personagens — e, claro, uma seleção de contos perfeita para quem quer conhecer ou revisitar o talento inigualável de Stevenson.

Além da curiosa história do advogado Gabriel John Utterson preocupado com o comportamento estranho do seu amigo Dr. Henry Jekyll, outros “experimentos” de Stevenson que flertam com o terror e o sobrenatural estão presentes neste volume. É o caso dos contos “Markheim”, “O Apanhador de Corpos”, “Olalla” e “Janet, a Entortada”), sem falar nos contos de mistério e aventura (“A Praia de Falesá”), e fantasia (“O Demônio da Garrafa”, “A Ilha das Vozes”). Nenhuma dessas narrativas, porém, pode ser resumida a um gênero e enquadrada em apenas uma categoria. Alguns deles estão entre os mais brilhantes exemplares de ficção de horror do século XIX.



Premiado com o Bram Stoker Award de Melhor Romance de Terror, O Pescador apresenta uma prosa suntuosa e uma narrativa elaborada, maturada durante anos, com a paciência de quem puxa um peixe grande. Ao norte do estado de Nova York, nas matas da região de Woodstock, corre o Dutchman’s Creek, saindo do reservatório Ashokan. Com margens íngremes e correnteza veloz, ele traz a promessa de boa pesca, e de algo mais, uma possibilidade demasiado fantástica para ser verdade. Quando Abe e Dan, dois viúvos que encontraram conforto na companhia mútua e na paixão de ambos pela pesca, escutam rumores sobre o riacho e os espécimes que nele podem ser encontrados, possível remédio para as perdas de ambos, eles consideram esses relatos meras histórias de pescador.

Em pouco tempo, no entanto, os homens se encontram puxados para dentro de uma história tão profunda e antiga quanto o reservatório. É uma narrativa sobre pactos sinistros, sobre segredos enterrados há muito tempo, e sobre uma figura misteriosa conhecida como Der Fisher: o Pescador. Ela deixará Abe e Dan face a face com tudo o que perderam, e com o preço que devem pagar para recuperar tudo isso.

Nestes últimos dez anos, a DarkSide® Books tem servido de lar para o melhor da ficção trevosa contemporânea, trazendo pela primeira vez aos leitores brasileiros obras de autores como Caitlín R. Kiernan, Andrew Pyper, Thomas Olde Heuvelt, Donald Ray Pollock e Jack Ketchum. Agora chegou a vez de John Langan e seus monstros aquáticos se juntarem a nossa família sinistra, com o romance O Pescador.

Somos fisgados desde a primeira página para dentro dessa fábula sombria e aterrorizante sobre amizade, luto e solidão. Com ecos do bíblico Livro de Jó, do clássico Moby Dick, de Melville, e do horror cósmico de H.P. Lovecraft, mergulhamos de cabeça nas profundezas dessa história, e nos mantemos de fôlego suspenso até a última página.



Quando pensamos em assassinos em série, pensamos em homens. Mais precisamente, em homens matando mulheres inocentes, vítimas de um apetite atroz por sangue e uma vontade irrefreável de carnificina. As mulheres podem ser tão letais quanto os homens e deixar um rastro de corpos por onde passam — então o que acontece quando as pessoas são confrontadas com uma assassina em série? Quando as ideias de “sexo frágil” se quebram e fitamos os desconcertantes olhos de uma mulher com sangue seco sob as unhas?

Prepare-se para realizar mais uma investigação criminal ao lado da DarkSide® Books e sua divisão Crime Scene®. Esqueça tudo aquilo que você achava que sabia sobre assassinos letais — perto de Mary Ann Cotton e Elizabeth Báthory, para citar apenas algumas, Jack, o Estripador ainda era um aprendiz.

Inspirado na coluna homônima da escritora Tori Telfer no site Jezebel.com, Lady Killers: Assassinas em Série é um dossiê de histórias sobre assassinas em série e seus crimes ao longo dos últimos séculos, e o material perfeito para você mergulhar fundo em suas mentes. Com um texto informativo e espirituoso, a autora recapitula a vida de catorze mulheres com apetite para destruição, suas atrocidades e o legado de dor deixado por cada uma delas. As histórias são narradas através de um necessário viés feminista. Telfer dispensa explicações preguiçosas e sexistas e disseca a complexidade da violência feminina e suas camadas. A autora também contesta os arquétipos — vovó gentil, mãe carinhosa, dama sensual, feiticeira traiçoeira, entre outros — e busca entender por que as mulheres foram reduzidas a definições tão superficiais.



O que faz gente aparentemente normal começar a matar e não parar mais? O que move – e o que pode deter – assassinos em série como Ed Gein, o psicopata americano que inspirou os mais célebres maníacos do cinema, como Norman Bates (Psicose, de Alfred Hitchcok), Leatherface (O Massacre da Serra Elétrica, de Tobe Hooper) e Hannibal Lecter (O Silêncio dos Inocentes, de Jonathan Demme). Como explicar a compulsão por matar e o prazer de causar dor, sem qualquer arrependimento? De onde vem tanta fúria?

As respostas estão no livro da editora DarkSide® Books SERIAL KILLERS: ANATOMIA DO MAL, dossiê definitivo sobre o universo sombrio dos psicopatas mais perversos da história. Escrito por Harold Schechter – que pesquisa o tema há mais de três décadas e já publicou, inclusive, a biografia de Ed Gein, Deviant (1998) -, o livro é referência fundamental a todos os que se interessam pelo universo da investigação e da criminologia.

Pontuado por curiosidades macabras, dados científicos e fatos pouco conhecidos sobre a trajetória dos principais criminosos em série dos Estados Unidos, SERIAL KILLERS: ANATOMIA DO MAL abrange desde a criação do termo serial killer no início do Século XX (conforme exibido na série MINDHUNTER, da Netflix) até o fascínio exercido por matadores seriais na cultura pop (cinema, música e literatura).

Com clareza, ritmo e muita informação, Harold Schechter traça perfis psicológicos impressionantes de criminosos que desafiaram a polícia, viraram notícia e continuam a nos assombrar nas telas da TV e do cinema.

Além de Ed Gein, a galeria de personagens sinistros inclui o cannibal Jeffrey Dahmer, que chegou a matar e devorar uma pessoa por semana no verão de 1991; a ex-prostituta Aillen Wuornos (inspiração para o filme Monster), que, depois de confessar seis assassinatos, pediu para ser condenada à morte para interromper a matança; o assassino Zodíaco (cuja verdadeira identidade é desconhecida até hoje); Charles Manson, o lunático que comandou o assassinato da atriz Sharon Tate em um ritual macabro; e Green River Killer, principal assassino de prostitutas da história, só capturado pela polícia com a ajuda de outro serial killer.

Em SERIAL KILLERS: ANATOMIA DO MAL você vai descobrir como eles matam e por que matam. Por prazer, dor, amor ou desespero. Por conta de famílias disfuncionais e infâncias perturbadoras. Em nome do demônio ou para o jantar…

Histórias reais, assassinos reais, de uma maneira que você nunca viu, estudados com profundidade, rigor científico e conhecimento psicológico. Um livro fundamental para quem se apaixonou por MINDHUNTER, CSI, Dexter, Criminal Minds e para quem acompanha o canal Discovery Investigation e quer entender o que se passa na mente dos assassinos mais temidos e cruéis de todos os tempos. Sem dúvida, oriundos de um sociedade que precisa repensar urgentemente como cicatrizar essas feridas abertas.



Macabra é selo da DarkSide® Books pronto para dissecar histórias ainda mais assustadoras e transgressoras da realidade e da ficção. Ainda que superstições e tradições folclóricas tenham influenciado a Medicina por um bom tempo, o passado também revela a existência de médicos capazes de encontrar soluções e aplicar tratamentos bem sofisticados. A Medicina mudou dramaticamente, passou por uma transformação que fez de sua arte uma ciência.

Enquanto pesquisava para escrever seu primeiro livro, o escritor Thomas Morris fez uma descoberta um tanto quanto… curiosa: entre dissertações cheias de linguagem técnica e textos desafiadoramente longos, pérolas divertidas e grotescas sobre casos bizarros estavam escondidas. Muitos destes relatos eram bons demais para serem esquecidos na literatura médica, e ele decidiu fazer uma seleção irresistivelmente peculiar.



Ninguém entende mais a respeito de cassinos do que Frank “Lefty” Rosenthal, o cérebro do mundo dos jogos que, junto de seu parceiro Anthony “the Ant” Spilotro, administrava Las Vegas para a máfia. Durante anos, a parceria foi considerada o arranjo perfeito: Lefty fornecia a inteligência, enquanto Tony cuidava da segurança e garantia que nada saísse da linha, mantendo os chefes felizes com maletas recheadas de dinheiro. 

No entanto, a dupla que aparentava ser eterna, foi abalada pelas obsessões de ambos — Lefty, obcecado pela administração da cidade, e Tony, deslumbrado por Geri, a esposa de Lefty —, que entraram em um turbilhão de traições e investigações que acabaram culminando em um dos maiores escândalos da história da máfia. 

Cassino — mais uma obra de true crime de Nicholas Pileggi e responsável por mais um dos clássicos de Martin Scorsese — chega para reforçar a biblioteca da marca Crime Scene®, da DarkSide® Books, que já conta com a aclamada publicação de Os Bons Companheiros, um dos melhores e mais fiéis relatos de alguém que passou sua vida dentro da máfia. 

Assim como em Os Bons Companheiros, a trama foi levada ao cinema, em filme homônimo lançado em 1995, pelo olhar do diretor e Martin Scorsese, contando com Pileggi como coautor do roteiro, e com Robert De Niro, Joe Pesci e Sharon Stone nos papéis principais. Após uma visita feita por De Niro a Lefty — após este descobrir que o ator poderia interpretá-lo no cinema — o mafioso passou a colaborar com a pesquisa de Pileggi, com relatos que deram origem a Cassino, obra que terminou de ser escrita às vésperas do início das filmagens. 

Uma obra de true crime que apresenta um olhar real e sombrio sobre o mundo dos jogos, da máfia e das apostas em Las Vegas e a intensidade das relações de poder. Agora, os fãs da marca Crime Scene® vão se deleitar com mais um livro minuciosamente pesquisado e escrito por Nicholas Pileggi, um dos maiores especialistas em máfia e crime organizado. Aposte de olhos fechados. Você está diante de um royal flush.



A mitologia é imortal e nos ajuda a entender a nossa existência. Para compreender as bases das nossas crenças, filosofia e sociedade, nada melhor que mergulhar nos mitos e personagens que ajudaram a explicar as origens da vida, os fenômenos naturais e as questões existenciais que nos atravessam.

Origens da Mitologia é uma enciclopédia de a A a Z ricamente ilustrada que oferece centenas de definições fascinantes de deuses e deusas, heróis e heroínas, ninfas, espíritos, monstros e lugares importantes da mitologia greco-romana em um trabalho cuidadosamente compilado pela pesquisadora Annette Giesecke, PhD.

Esta enciclopédia mágica e indispensável aos fabulosos leitores da DarkSide® Books aborda desde os deuses e deusas do Monte Olimpo e os heróis da Guerra de Troia até as criaturas míticas que povoam antigas histórias. Com clareza e objetividade, Origens da Mitologia apresenta a essência de mais de 700 personagens e lugares que, juntos, compõem um dos panteões mais preciosos da mitologia. Cada definição inclui referências cruzadas a personagens, locais e mitos relacionados, bem como seu equivalente na mitologia e culto romanos.



Ao buscar um tema para seu primeiro filme autoral, J.J. Abrams – que não vive sem referências – voltou à sua adolescência, quando, como muitos outros moleques dos anos 1980, foi saudado por uma safra de filmes que finalmente contemplava sua própria geração. Super 8 (2011) saúda tanto E.T. (1982), de Steven Spielberg, quanto Os Goonies (1985), de Richard Donner. Os três filmes celebram a rotina de uma turma de adolescentes na década de 80 (sim, Super 8 é um filme de época) e contam como nem mesmo incidentes extraordinários pode abalar a amizade de uma galera.

Antes dos anos 1980, os filmes falavam de crimes, romances, aventuras e dramas – mas todos do ponto de vista adulto. E os adultos não entendiam a nova década, do walkman, do videogame, do computador e do videocassete. Era o início da revolução digital – aquela que hoje é plena – e qualquer turma de moleques sabia que os adultos não tinham a menor ideia do que estava acontecendo. A minha turma, em Brasília, sabia. Outras turmas pelo mundo também. Não é à toa que estes filmes encontraram eco justamente em uma audiência que parecia seus protagonistas...

Mas se Super 8 e E.T. lidam com a ligação de um dos protagonistas com um alienígena, Os Goonies é uma aventura coletiva. E mesmo que sua adaptação para o livro seja narrada em primeira pessoa – do ponto de vista de Mikey Walsh, o personagem asmático vivido pelo ator Sean Astin –, sua história conta como personalidades tão diferentes quanto Bocão, Gordo, Dado, Brand e as meninas Andy e Stef podem conviver e se gostar, independentemente de sexo, raça ou idade. Baseado no roteiro original de Chris Columbus, o livro de James Kahn aprofunda ainda mais estas relações ao explorar melhor cada um dos personagens – inclusive os vilões Fratelli e seu filho-monstro Sloth – sem perder o ritmo de toboágua que dá o tom do filme.



Em uma galáxia muito, muito distante, os fãs de Star Wars aguardavam por este momento inesquecível. No ano de encerramento da saga mais lendária da história do cinema, a DarkSide® Books apresenta uma nova edição de Star Wars: A Trilogia. Muito além de um fenômeno do cinema, Star Wars ditou regras na ficção científica, inspirou milhares de pessoas com a filosofia Jedi, nos levou até mundos incríveis e apresentou os personagens mais cativantes que poderiam existir no espaço.

As clássicas histórias de Luke Skywalker, Han Solo, Princesa Leia, Mestre Yoda e Darth Vader vão ganhar detalhes de outra galáxia em uma nova edição que todo geek terá orgulho de exibir em sua estante. A nova capa de Star Wars: A Trilogia tem detalhes em dourado, material semelhante a couro, Leia. As páginas de guarda da nova edição também contam com um detalhe especial: elas brilham mais que um sabre de luz no escuro.

No ano em que a saga Star Wars chega ao fim com Star Wars Episódio IX: A Ascensão Skywalker, a DarkSide® Books apresenta uma nova edição que faz jus a importância da saga iniciada em 1977. Em Star Wars: A Trilogia, George Lucas escreve o Episódio IV – Uma Nova Esperança, com participação de Alan Dean Foster, a partir de uma adaptação do roteiro original do longa, e mostra, pela primeira vez, o jovem Luke Skywalker aos fãs, cinco meses antes do lançamento oficial do filme. O Episódio V – O Império Contra-Ataca, escrito por Donald F. Glut, é um dos mais adorados da saga e coloca Luke diante de lados opostos da Força. “Eu jamais poderia imaginar o nível dos laços emocionais que o público havia desenvolvido com Luke como um símbolo de bondade e Vader como a personificação do mal”, declarou George Lucas tempos depois.

Já o Episódio VI – O Retorno de Jedi foi escrito por James Kahn – mesmo autor de Os Goonies, lançado pela DarkSide® Books. E preparar esse capítulo final da trilogia foi um grande desafio para George Lucas, já que o roteiro apresentava muitas histórias abertas e era preciso deixar tudo muito bem amarrado para os próximos filmes.

A nova edição de Star Wars: A Trilogia, da DarkSide® Books, é também uma homenagem aos atores da saga que se foram recentemente, mas serão para sempre lembrados. Carrie Fisher (Princesa Leia) e Peter Mayhew (Chewbacca) se tornaram figuras fundamentais em Star Wars e conquistaram o coração dos fãs. Para os espectadores ainda mais saudosos, Fisher aparecerá em Star Wars – Episódio IX: A Ascensão Skywalker. Cenas gravadas para o Episódio VII (2015), e até então inéditas, serão aproveitadas no novo longa e prometem emocionar a todos.

Continue ligado no Nerdview nas redes sociais, estamos no Facebook e Instagram.

Nenhum comentário