Novidades

Review do game Call of Duty: Modern Warfare II



Não é exagero dizer que Call of Duty: Modern Warfare (2019) resgatou a franquia. Após o muito amado Call of Duty: Black Ops II, a franquia que é chamada carinhosamente de COD acabou perdendo seu caminho, com a Activision e seus três desenvolvedores lutando para encontrar um caminho coeso a seguir, pois Call of Duty: Modern Warfare (2019) mudou isso ao reiniciar a série clássica e entregar um modo multiplayer baseado nos sistemas revolucionários de seus antecessores, com o jogo reengajando o público e trazendo muitos novos jogadores para se viciarem nos jogos da franquia.

Agora com Call of Duty: Modern Warfare II, uma sequência em formato de reboot tem muito para preencher, pois o jogo original Call of Duty: Modern Warfare 2 de 2009 não foi apenas um título revolucionário por si só, mas ele continua sendo o mais importante para muitos jogadores.

O reboot Call of Duty: Modern Warfare II começa três anos após os eventos de seu antecessor. Após o assassinato bem-sucedido de um general iraniano apoiado pela Rússia, a Força-Tarefa 141 descobre que vários mísseis balísticos fabricados nos EUA caíram nas mãos de terroristas. O que se segue é uma corrida louca pelo mundo em busca dessas armas mortais antes que seja tarde demais. Call of Duty: Modern Warfare (2019) teceu com sucesso uma teia de intrigas repleta de grandes momentos de história e personagens. Mais importante ainda, conseguiu escapar da sombra de Call of Duty 4: Modern Warfare ao contar sua própria história enquanto emprestava vários personagens. Call of Duty: Modern Warfare II no entanto, não tem tanta sorte e parece desajeitado, cheio de artifícios e de decisões ruins.

O que realmente prejudica a história e os personagens é quanto tempo ele passa na sombra do jogo de 2009, pois numerosas reviravoltas na história são replicadas a partir do título do jogo original, roubando esta história de qualquer tensão. O enredo também se esforça para deixar de lado os melhores personagens de 2019, como Farah e Alex, por novas versões desinteressantes de Soap e Ghost. Até os pobres Capitão Price e Gaz se sentem subutilizados e isso não quer dizer que a campanha não tenha seus momentos, pois as cenas lindamente renderizadas são uma maravilha de se ver, mesmo que a história que estão transmitindo não tenha tensão ou drama, pelo menos as poucas missões que parecem Call of Duty são completamente agradáveis.

A campanha de Call of Duty: Modern Warfare II é o elo fraco do pacote. Felizmente, seus modos cooperativos e multiplayer se saem melhor, mas deve-se enfatizar que Call of Duty: Modern Warfare II parece incompleto. Vários recursos básicos, como o Combat Record, modo de jogo Hardcore, as tabelas de classificação e o rastreamento de desafios de camuflagem estão faltando, sem sinal de quando eles podem retornar.

Dito isto, o multiplayer ainda é aquela experiência clássica de Call of Duty, feito com o muito carinho pela Infinity Ward. Isso significa tiroteio carnudo e cru, com movimento mais pesado e uma visão mais realista de armas e ambientes. A esse respeito, Call of Duty: Modern Warfare II é extremamente divertido de jogar e o multiplayer pode ser uma explosão, graças ao aprendizado que a Infinity Ward teve com alguns de seus erros da última vez. Pois tudo ali é pregado com o básico no qual já conhecemos, com uma jogabilidade que continua a ser o rei no seu verdadeiro estilo em uma diversão bem satisfatória, que é apoiada por uma coleção decente de mapas multiplayer e um sistema de personalização diferente, mas ainda familiar o suficiente para manter os jogadores envolvidos. Existe até um bom modo Spec Ops disponível para ação cooperativa, fazendo com que o jogo tenha um aprimoramento de gráficos, o que o torna extremamente bonito e funcional em cenas ricamente produzidas. 

Fora ainda que existem outros bons modos de jogo que merecem pontos de atenção, incluindo Team Deathmatch, Invasion, Ground War, Kill Confirmed, Domination e Search & Destroy. A abordagem da Infinity Ward em alguns grandes modos de jogo, como Ground War acaba tendo um retorno triunfante ao lado de uma nova variante en Team Deathmatch e Invasion, pois ambas são distrações divertidas do típico caos 6v6. Entretanto, o que não é tão divertido são os novos modos esquecíveis, Prisoner Rescue e Knockout. Infelizmente, este novo jogo da franquia Call of Duty tende a gastar recursos construindo modos de jogo que são rapidamente esquecidos enquanto alguns modos clássicos são deixados de lado, pois teria sido melhor ver o retorno de modos clássicos como Control, Gun Game, Patrol ou Capture the Flag.

No geral, Call of Duty: Modern Warfare II não é apenas uma sequência do título que colocou a franquia de volta nos trilhos, mas também compartilha seu nome com o que continua sendo um dos melhores títulos de Call of Duty. A Infinity Ward teve sucesso em alguns aspectos, mas onde eles falharam é possível ser corrigido com futuras atualizações. O modo multiplayer mantém aquela jogabilidade brutal e contundente, sinônimo fortemente pregado pela Infinity Ward nos melhores jogos da franquia COD, embora seja bom ter mais alguns mapas, o retorno e adição de alguns modos em Call of Duty: Modern Warfare II não torna o game como uma entrada revolucionária na franquia, mas seu multiplayer e co-op fazem o suficiente para torná-lo mais um agradável jogo com o selo Call of Duty.

Nota: 4/5

Trailer:

A equipe Nerdview gostaria de deixar registrado o agradecimento especial pela parceria com a Activision Brasil (@Activision) pelo envio da key para review.

Continue ligado no Nerdview nas redes sociais, estamos no Facebook e Instagram.

Nenhum comentário